Por Stephanie Macêdo – Rede Alese

O combate ao câncer e a importância da saúde da mulher foram pontos tratados durante a realização o lançamento do “Movimento Outubro Rosa” –  uma ação de conscientização ao combate ao Câncer de Mama que ocorrerá durante esse mês de outubro na Casa Legislativa.  A abertura do lançamento  foi feita  na manhã de hoje, 3, pelo presidente da  Luciano Bispo (MDB) e a pela  deputada estadual Goretti Reis (PSD), que é a autora da Lei Estadual 12.7526/2012, que  institui o Outubro Rosa como evento oficial em Sergipe.

O Movimento Outubro Rosa convidou  para o plenário do Poder Legislativo os médicos, Celi Marques Santos, especialista em cardiologia, Pablo Neruda de Carvalho Rocha, mastologista, e  a médica  ginecologista Carmem Luiza Santos Silva Leite. Em suas exposições, os profissionais da área de Saúde apontaram as principais causas de mortes em mulheres, sendo elas às doenças do coração, e o câncer do colo do útero e o câncer de mama.

A médica cardiologista ressaltou que o estresse é uma das principais causas de doenças cardiovasculares entre às mulheres, como o AVC e o infarto. Celi Marques destaca que as doenças do coração matam mais que o temeroso câncer. “Matam mais que o próprio câncer, e sem conhecer essa realidade não faz eco. A sociedade de cardiologia está determinada a mudar essa conscientização. Mulher não cuida de si própria, e sim de família, filhos e trabalho”, registrou. 

A genecologista Carmem Luíza Silva Leite ressaltou que outubro é o mês de conscientização da mama, mas que cuidado preventivo deve ser diário. Disse que em 2018, foram estimados 570.000 novos casos de câncer de colo do útero e 311.000 mortes decorrentes deste tipo de câncer em todo o mundo. Frisou ainda que  o câncer do colo uterino é o 4º tumor mais frequente na população feminina.

“No Estado de Sergipe a estimativa é de 20,78 casos novos para cada 100 mil mulheres”, destacou a médica, enfatizando que o Brasil é um dos líderes mundiais em contaminação por HPV, e que a vacina é prevenção necessária, primária, e  com baixa adesão. “Em Sergipe apenas  30% de adolescentes tomaram a vacina, e elas estão protegidas por quatro tipos de vírus. Infelizmente 70%  ainda não tomaram a vacina por questão de cultura, tabus. Escolas  e famílias  devem fazer ter essa conscientização e fazem a  adesão à vacina”, compartilhou Carmem Luíza.

Políticas Públicas

O mastologista Pablo Neruda falou da causa de incidência do câncer de mama, e apontou  falhas no sistema público de Saúde. “Há vários gargalos e deficiências no sistema público da Saúde, e isso culmina com a mortalidade maior pela doença. As pacientes do Sistema Único de Saúde (SUS) estão morrendo mais que outros Estados, e as do interior morrendo mais que as pacientes da capital sergipana. Isso denota falha d o programa de rastreamento, falha  da interligação, celeridade, pois o tumor se multiplica em questão de três meses e isso faz a diferença entre a vida e a morte desse paciente”, denuncia.

Pablo destacou ainda  que o câncer de mama é o mais frequente nas mulheres, e que só perde para o câncer de pele. “A gente tem incidência de casos novos para em 2019, que foram estimados pelo INCA, de 59.700.00 em todo o Brasil, sendo 550 casos  em Sergipe, dos quais  240 em Aracaju. A doença afeta 1 em cada 15 mulheres”, frisou.

 

 

Participação:

Mulheres de instituições de combate ao câncer, autoridades, e diversos atores sociais, participaram do evento, que foi considerado pela deputada Goretti Reis como valoroso. “As informações trazidas foram alertantes e por tanto, importantes. Palestras foram um momento de sensibilização e conscientização para todos. Tivemos vários indicativos, demostrados pelos médicos presentes, de causas de morte  entre as mulheres e há uma preocupação nossa de reverter esses dados, e controlar as doenças”, disse a parlamentar que presidiu a mesa da palestra.

As  deputadas, Maria Mendonça (PSDB),  e Diná Almeida (PODE), fizeram parte dos debates. Para Maria, há a dificuldade de pacientes para marcarem exames, e que  situação difícil  faz que esses pacientes cheguem a adquirir depressão. Diná ressalta que irá levar conhecimento do exposto pelos médicos em seu município, Itabaianinha, como forma de conscientização.

O deputado Dilson de Agripino (PPS), frisou que a manifestação das mulheres marcam os fatos importantes da Casa Legislativa. Já o deputado Iran Barbosa (PT) salientou que a saúde é fruto de hábitos saudáveis, e quanto a questão da vacinação contra o vírus HPV, a quebra de cultura e  tabus entre a sociedade, familiares, é necessária para a prevenção do câncer.

O deputado Zezinho Sobral (PODE), disse que ficou muito feliz com as abordagens médicas  e iniciativa da ação trazida pela Alese. Conta que tem três filhas e que diante da informação recebida sobre o vírus  HPV, que leva a uma incidência de câncer no útero, levará suas meninas para a vacinação.

 

Fotos: Jadilson Simões