Vice-presidente da Frente Parlamentar em Defesa Mulher, da Assembleia Legislativa de Sergipe, a deputada estadual Maria Mendonça (PP) defendeu hoje (31), que o Governo do Estado adote medidas urgentes que visem combater a violência contra a mulher.

“É estarrecedor vermos que em 24 horas, três mulheres foram mortas num Estado, territorialmente, tão pequeno como Sergipe. É lastimável e inaceitável”, disse Maria, ressaltando que os membros Frente, que é presidida pela deputada Goretti Reis, têm feito um trabalho cuidadoso no sentido de arregimentar apoios e criar condições para que as mulheres sejam preservadas de qualquer tipo de violência.

Porém, ressaltou a deputada, o Estado precisa fazer a sua parte. “Os sergipanos vivem à mercê da própria sorte, falta planejamento, falta comprometimento para com a população que paga impostos e que, lastimavelmente, não vê retorno daquilo que paga, em forma de ações públicas eficientes e eficazes”, reclamou Maria.

 

As mulheres, cujas circunstâncias dos assassinatos ainda não foram esclarecidos, morreram entre sábado e segunda-feira. Duas delas, em bairros da periferia da capital sergipana. “Além da agressão, um fato que nos chama bastante a atenção é que essas vítimas, em geral, são pobres e negras. Esse é um dado que deve ser levado em conta por todos os segmentos sociais. Precisamos preservar a todas as mulheres e termos um olhar mais atento sobre essas que não têm a quem recorrer e muitas vezes são desrespeitadas e discriminadas ao buscarem ajuda”, observou Maria Mendonça.

 

Para ela, o Estado deve ser mais vigilante e adotar políticas públicas capazes de combater essa criminalidade que a cada dia faz novas vítimas. “Infelizmente, parte dos agressores são pessoas que convivem com essas mulheres, o que é muito mais lamentável.  O fato é que não podemos nos calar e o Estado, enquanto instituição responsável por garantir segurança aos seus cidadãos, deve cuidar para frear essas práticas que têm ceifado vidas de mais de famílias”, disse.

 

SITUAÇÃO GENERALIZADA – A deputada citou que o Estado vive um clima de insegurança “absurdo e desenfreado”. De acordo com ela, não são só as mulheres que entram para a triste estatísticas da violência.

“As vítimas são de toda a parte, de todos os sexos, de várias idades e classes sociais. Em todos os municípios de Sergipe, registram-se, diariamente, assassinatos brutais e ações que vão de encontro à integridade física e moral dos cidadãos”, afirmou, ressaltando que “estamos chegando a um limite muito complexo e, se não houver atitudes enérgicas e urgentes, a situação ficará incontrolável”.

 

Por Ascom Parlamentar

Foto: Jadilson Simões