Legislação contribui para prevenção e combate à hipertensão arterial

4/8/2022

Por Shis Vitória/Agência de Notícias Alese

A hipertensão arterial é uma das principais causas de morte no Brasil. Segundo a Pesquisa Nacional de Saúde, em 2019, cerca de 24% dos brasileiros com mais de 18 anos tinham pressão alta. Para quem tem mais de 60 anos e menos de 65 anos, a proporção chega a 47% e atinge pelo menos seis a cada dez pessoas com mais de 75 anos.  

A pressão alta, como é chamada popularmente, é a elevação sustentada dos níveis de pressão arterial, acima de 140×90 mmHg (milímetro de mercúrio), conhecida como 14/9 – o primeiro número se refere à pressão máxima ou sistólica que corresponde à contração do coração; o segundo, à pressão do movimento de diástole, quando o coração relaxa. Tontura, falta de ar, palpitações, dor de cabeça frequente e alteração na visão podem ser os sinais de alerta, entretanto, a hipertensão geralmente é silenciosa, sendo importante medi-la regularmente.

Em Sergipe, o tema ganhou destaque com o Dia Estadual de Prevenção e Combate à Hipertensão Arterial, celebrado no dia 26 de abril. A data foi criada em 2011, a partir de um Projeto de Lei aprovado pela Assembleia Legislativa de Sergipe (Alese) que resultou na Lei Nº. 7.216/2011. O objetivo é alertar a população sobre a importância dos cuidados com a saúde.

A data também é celebrada nacionalmente com o Dia Nacional de Prevenção e Combate à Hipertensão Arterial instituída pela Lei Nº 10.439/2002. O foco é a conscientização da população, a partir da importância de aferição regular da pressão arterial, adoção de hábitos saudáveis, diagnóstico preventivo e do tratamento adequado da doença que mata mais de dez milhões de pessoas por ano no mundo.

Com informações da Biblioteca Virtual em Saúde (Ministério da Saúde)

Foto: GOV.BR

Outras notícias para você