Por Assessoria Parlamentar

A informação de que o Banese pretende altera o funcionamento de 16 agências, 14 no interior do estado e duas na capital, foi um dos assuntos mais comentados na manhã desta quinta-feira, 13, na Assembleia Legislativa de Sergipe (Alese). Em seu pronunciamento no plenário da Casa, a deputada estadual Kitty Lima (Cidadania) chamou atenção para os prejuízos aos correntistas e pediu para que representantes possam esclarecer sobre esse e outros assuntos relativos a atual situação do banco em audiência junto aos deputados.

A notícia chegou ao público por meio de avisos fixados nas agências de Pirambu, Santo Amaro, Rosário, N. S. Aparecida, Malhador, Riachuelo, Areia Branca, Poço Verde, Siriri, Japaratuba, Cristinápolis, Umbaúba, Indiaroba e Poço Redondo, onde o banco informa que a partir do dia 12 de março as unidades serão transformadas em ‘Posto de Atendimento Bancário’. O texto informa ainda que as transações de caixa deverão ser realizadas apenas através de caixas eletrônicos, aplicativo Banese no celular ou internet banking.

“É um retrocesso para esses municípios e para a população que será bastante prejudicada, principalmente aqueles que têm dificuldade em utilizar os caixas eletrônicos. A gente precisa debater sobre essa decisão do banco porque é uma situação que afetará também a economia local desses municípios que serão prejudicados com as alterações nas agências”, lamentou Kitty.

Ainda durante a sessão os deputados foram pegos de surpresa com uma nota emitida pelo Banese alegando que a notícia é falsa. Porém, os municípios onde as mudanças no funcionamento das agências estão programadas já foram comunicados pela presidência do banco sobre as medidas, fato que levou a Federação dos Municípios do Estado de Sergipe (Fames) a convocar uma reunião para tratar sobre o assunto.

“O que acontece é que o banco percebeu que a decisão não foi bem aceita pelos municípios, que já preveem prejuízos na economia local por conta da dificuldade que haverá para concessão de crédito pelo banco ao comércio, nem pelos seus correntistas. Uma decisão dessa precisa de um estudo minucioso sobre os impactos nos municípios, e por isso queremos que representantes do Banese possam vir à Alese para esclarecer sobre esse assunto”, pontuou Kitty.