Por Aldaci de Souza

 A luta em prol do fim da violência contra a mulher vem avançando no estado de Sergipe. Na Assembleia Legislativa, foi aprovada a Lei nº 7.258, de 10 de novembro de 2011 e sancionada pelo então governador Marcelo Déda (PT), instituindo o Dia Estadual de Combate e Enfrentamento à Violência contra a Mulher. A data é lembrada internacionalmente em 25 de novembro.

Iran Barbosa relembrou o assassinato da vereadora Marielle Franco (Foto: Jadilson Simões)

O objetivo é conscientizar a sociedade sobre os antecedentes na história de opressão, submissão e violência empregados contra a mulher.

Para o deputado Iran Barbosa (PT), os dados que já são historicamente chocantes, têm mostrado que a violência contra as mulheres se aprofunda no Brasil.

“Os números mostram que a violência aumentou ao longo da década e o que é pior, em 2020 a pandemia representou um inaceitável agravamento do quadro generalizado de violações, inclusive de feminicídios contra as meninas e mulheres brasileiras, especialmente as mais pobres”, lamenta.

Iran Barbosa acrescentou que em um sistema assentado sobre o patriarcado, as vidas femininas sempre foram diminuídas, mutiladas e suprimidas sob o manto da invisibilidade.

“A vigorosa organização autônoma das mulheres, entretanto, assegurou francos avanços consubstanciados na adoção de legislações protetivas, na adoção de políticas públicas, na formatação de uma rede de acolhimento e enfrentamento à barbárie misógina”, destaca.

Ele acrescentou que essas conquistas de natureza civilizacional, têm sido sistematicamente atacadas por forças conservadoras em várias partes do mundo, com um triste destaque para o Brasil. “Prestes a completar mil dias, a brutal execução de Marielle Franco permanece sem esclarecimento traçando um retrato fiel da vida nacional nesses tempos tão extremos”, enfatiza ressaltando que as mulheres seguirão unificadas, lutando por empoderamento e conquistando igualdade.

Foto: Jadilson Simões