Por Wênia Bandeira – Rede Alese

Os moradores de Aracaju, pertencentes aos grupos específicos para vacinação contra a gripe, podem se vacinar no sistema drive thru, ou seja, sem sair de seus veículos. O objetivo é manter o distanciamento e evitar aglomeração em meio à pandemia do novo coronavirus.

O sistema está em funcionamento nesta quarta, 17, e quinta, 18. É importante estar munido com documento de identificação, carteira de vacinação e documentação que comprove sua condição de prioridade.

A deputada Goretti Reis (PSD) vem defendendo a necessidade de imunização para este público. Ela falou que ainda existem muitas pessoas resistentes à vacinação e que é preciso entender a necessidade de prevenção para evitar problemas maiores no futuro.

“A gente está vendo retornar várias doenças que são imunizáveis e que a população por não procurar, achar que está causando dor, uma furadinha da agulha principalmente na criança, a mãe ás vezes fica com pena porque a criança realmente chora naquele momento, a mãe deixa de vacinar o seu filho. Isso cria problemas maiores para essa criança no futuro porque ela pode ter contato com o vírus e desenvolver a doença e o sofrimento pode vir a ser muito maior, muitas das vezes precisa internar, infelizmente em alguns casos chega até a óbito”, alertou a deputada.

A parlamentar explicou que prevenir é criar anticorpo, ter imunidade em contato com aquele tipo de vírus e desenvolver uma proteção para não adquirir a doença. “É bom lembrar às mães que é muito mais fácil passar pela furadinha da agulha do que passar depois pelo constrangimento de ter a doença, o custo é muito maior, a dor é muito maior para tratar essa doença”, acrescentou.

Goretti Reis ainda lembrou que existem muitas notícias falsas de que a vacina é para curar o covid-19. A deputada lembrou que a sociedade científica mundial ainda luta para conseguir a vacina para proteger a população da pandemia que está acontecendo no mundo.

“Mas a gente tem outros tipos de viroses que ainda causam muitas mortes, que é a gripe, e no momento o país está passando por uma campanha nacional mas que ainda está com uma cobertura baixa. A gente precisa procurar alternativas, ver que horas a unidade está com menos pessoas, mas não deixar de se imunizar. A gente espera que as mães levem seus filhos, que as gestantes procurem, é muito importante porque é mais uma resistência que a gente cria para não ter aquela dúvida se é covid ou é a influenza que está causando aqueles sintomas naquela pessoa”, disse.

A vacinação continua até o dia 30 nas Unidades Básicas de Saúde (UBS). Podem se vacinar crianças de 6 meses a menores de 6 anos, gestantes, puérperas (mães até o 45º dia do pós-parto), professores, pessoas com mais de 60 anos, trabalhadores da área da saúde, profissionais das forças de segurança e salvamento, pacientes com doenças crônicas (hipertensão, diabetes, asma, entre outros), pessoas privadas de liberdade, caminhoneiros e indígenas.