A italiana Enrica Mininni, recebeu na tarde desta segunda-feira, 7 durante Sessão Especial na Assembleia Legislativa de Sergipe (Alese), o Título de Cidadã Sergipana. A propositura é de autoria da deputada Ana Lúcia Vieira (PT). A solenidade foi presidida pelo deputado Luciano Bispo (PMDB) e contou com a presença do governador Jackson Barreto (PMDB), que disse estar muito feliz em tê-la como conterrânea.

Sessão Especial foi prestigiada por autoridades

Sessão Especial foi prestigiada por autoridades

A deputada Ana Lúcia, ressaltou que Enrica é uma italiana extremamente preparada que escolheu Aracaju há mais de 50 anos para viver. “Enrica trabalhou com Dom Távora, com Dom Luciano e agora com Dom Lessa. É uma mulher que nós devemos muito quanto às atividades sociais da Arquidiocese de Aracaju. Participou da Reforma Agrária; participa de todas as lutas em defesa da criança, do adolescente, dos idosos, dos soropositivos. Coordenou por muito tempo as pastorais, hoje é coordenadora da Cáritas e nós vamos estar reconhecendo hoje o que ela já é de fato: uma cidadã sergipana”, destaca lembrando o atual momento de retirada de direitos no Brasil e a participação de Enrica nas edições do Grito dos Excluídos.

Tomada por muita emoção, a homenageada disse não se sentir estrangeira.

Religiosos, familiares e amigos acompanharam a solenidade

Religiosos, familiares e amigos acompanharam a solenidade

“É um momento de reencontro com as pessoas com quem trabalhamos, caminhamos juntos, ficamos alegres juntos, choramos juntos. E saber que a indicação da deputada Ana Lúcia foi aprovada por unanimidade, me deu muita alegria, uma responsabilidade muito grande. São 50 anos de caminhada e estou vendo como um momento de fazer um resumo da nossa vida, dos trabalhos e do crescimento humano. Espero poder ainda trabalhar muito por esse povo do Brasil e principalmente pelo povo sergipano, que foi de um acolhimento fora de série. Já vivi em muitos lugares do mundo, mas nunca tinha encontrado uma receptividade, uma bondade, um acolhimento como aqui em Sergipe. Eu nunca me sento estrangeira e isso foi muito importante para mim, me sentir uma sergipana em terras brasileiras”, comemora.

Dom Lessa e o o governador reconheceram o trabalho da italiana em SE

Dom Lessa e o o governador reconheceram o trabalho da italiana em SE

O arcebispo de Aracaju, Dom José Palmeira Lessa completou: “Ela chegou jovenzinha ao Brasil, mergulhou como uma cristã que podia ter constituído uma família natural, mas por causa de Jesus e por causa dos pobres, dedica a vida nos serviços aos pobres. A sociedade através dos seus legisladores soube reconhecer esse trabalho tão bonito de alguém que veio de fora”.

Para o governador de Sergipe, Enrica Mininni merece a homenagem recebida na Alese. “Uma bela homenagem, Enrica merece. Ela tem uma vida longa de serviços prestados a Sergipe. Chegou aqui pelas mãos de Dom Távora, quem o conheceu sabe que dominava a cabeça, o coração, as mãos, os passos de Dom Távora, o compromisso social. Depois conheci o trabalho de Enrica nas fazendas comunitárias e programas de Reforma Agrária com Dom Luciano. Sempre a encontrei envolvida nas questões sociais ligadas ao compromisso da Igreja Católica. Fico muito feliz em tê-la como conterrânea. Enrica merece por tudo que ela fez por nossa gente”, enfatiza.

Homenageada

A missionária disse querer fazer mais pela sociedade sergipana

A missionária disse querer fazer mais pela sociedade sergipana

Enrica Mininni nasceu em Roma (Itália) em 06 de setembro de 1939. Filha de Michele Mininni e Maria De Rossi, teve quatro irmãos: Luigi, Anna Maria, Paola e Franco. Viveu em Roma até concluir os estudos de nível médio, recebendo o Diploma de Contadora.

Logo em seguida, em 1958 entrou na Associação de Fraternidade Internacional (AFI), em Bruxelas, na Bélgica, da qual continua a fazer parte como membro efetivo.

 

 

Após um ano de estudos bíblicos e teológicos, voltou à Itália onde cursou a Faculdade de Economia e Comércio na Universidade Scro Cuore de Milão, recebendo a “Láurea de Doutor em Economia e Comércio”, em 1963.

Coral da Alese abrilhantou a solenidade

Coral da Alese abrilhantou a solenidade

Trabalhou mais dois anos em Milão, no Crocevia (Encruzilhada), projeto da AFI, destinado a acolher, num contexto de intercâmbio internacional, estudantes e profissionais de diversos países do mundo.

Em outubro de 1966 chegou ao Brasil, vindo a Aracaju para integrar uma equipe da AFI, a convite do arcebispo Dom José Vicente Távora. Trabalhou, inicialmente, numa pesquisa socioeconômico-religiosa na Região da Cotinguiba, e em seguida na equipe de Coordenação do Secretariado de Pastoral da Arquidiocese de Aracaju.

Trabalhou como secretária executiva, de 1968 a 1988, na Promoção do Homem do Campo de Sergipe (PRHOCASE), uma experiência de Reforma Agrária, idealizada e realizada por Dom Luciano, através de cinco fazendas comunitárias para centenas de famílias de camponeses sem terra.

Durante esse período cursou a Faculdade de Administração, nas Faculdades Integradas Tiradentes, em Aracaju, recebendo o diploma em 1983.

Desde 1988, continua exercendo o cargo de superintendente da Sociedade Sergipana de Cultura, entidade da Arquidiocese de Aracaju, responsável por diversas obras sociais na capital e no interior, junto a mulheres e crianças em situação de risco e vulnerabilidade social como a Escola João XXIII, O Centro Educacional Bem me Quer e a Creche Dom Távora.

Desde o final dos anos 90 foi designada coordenadora da Pastoral Social da Arquidiocese de Aracaju, além de realizar articulações e mobilizações junto aos Movimentos Sociais e Populares, como plebiscitos e o Grito dos Excluídos.

A partir de 2001 participou da criação da Cáritas Arquidiocesana de Aracaju, a pedido do arcebispo Dom José Palmeira Lessa, da qual é a atual coordenadora acompanhando os trabalhos da Casa de Apoio O Bom Samaritano para portares de HIV.

Foi Membro Titular do Conselho Municipal de Segurança Alimentar e Nutricional de Aracaju, em 2014 e 2015.

Enrica tem exercido um papel fundamental através da Arquidiocese de Aracaju, junto às pastorais sociais, aos movimentos populares e à sociedade civil, de conscientização, acolhimento e se somando nas mais variadas lutas da classe trabalhadora, dos humildes e excluídos, pela garantida dos direitos sociais, políticos e econômicos; sendo merecedora de várias homenagens, entre elas, a Medalha Quintina Diniz, também na Assembleia Legislativa de Sergipe.

Participaram da Sessão Especial, o presidente da Alese, deputado Luciano Bispo, a autora da indicação Ana Lúcia (PT), os deputados Maria Mendonça (PP) e Samuel Barreto (PTC); familiares e amigos da homenageada.  O Coral da Alese – Corales, prestigiou com o Hino Nacional.

O presidente da Assembleia Legislativa de Sergipe, deputado Luciano Bispo encerrou a Sessão Especial destacando que “os sergipanos é que estão felizes em recebê-la como uma filha. Quero dizer que essa Casa faz justiça. A senhora é a pessoa mais importante nesse momento e Sergipe está muito orgulhoso pelo seu trabalho em favor dos mais pobres”.

Por Agência de Notícias Alese

Fotos: César de Oliveira