Por Ethiene Fonseca

Terminou na última sexta-feira, 13, a Oficina Interlegis – Comunicação Integrada, realizada pela Escola do Legislativo de Sergipe (Elese), em parceria com o Senado Federal. Devido à pandemia do novo coronavírus, a Elese adaptou as suas atividades às regras de distanciamento social, oferecendo cursos com temáticas diversas na modalidade online.

De acordo com o instrutor da oficina de comunicação, Tadeu Sposito, a adaptação dos cursos oferecidos pelo Senado ao formato remoto foi possível graças à utilização de recursos tecnológicos, o que viabilizou a realização dos encontros virtuais. Caso contrário, seria necessário paralisar as atividades educacionais, relata Tadeu.

“A adaptação da oficina para o formato remoto foi algo que a realidade nos impôs. A outra alternativa era parar. E, claro, a gente não pode parar. Para isso, foi necessário adequar o conteúdo a essa nova forma e buscar ferramentas pra deixar mais atrativo. Eu montei um miniestúdio aqui em casa, uso software pra gerenciar a transmissão, repensei os modos de interação”, complementa o instrutor.

Rachel Gonçalves elogiou o conteúdo específico para o Poder Legislativo (Foto: Arquivo Alese)

Servidora da Assembleia Legislativa de Sergipe, a jornalista Ana Rachel Gonçalves Pereira relata que decidiu participar da oficina por se tratar de uma capacitação voltada à sua área de atuação, sendo uma forma de complementar o seu currículo e se manter atualizada com as novidades que surgem na área da comunicação.

“Eu achei o tema interessante, principalmente por ser algo específico para o legislativo. É difícil encontrar um curso assim tão direcionado para a nossa área. Eu achei muito legal essa parceria entre o Senado e a Alese e o objetivo é esse: agregar valor ao nosso currículo profissional. É bom ter uma visão sistêmica da comunicação para que a gente possa desempenhar nosso trabalho da melhor forma possível”, pondera a jornalista.

Outro ponto positivo apontado por Rachel Gonçalves se refere à praticidade dos cursos online. Mesmo em licença maternidade, ela conseguiu participar da capacitação, algo que não seria possível se o curso fosse presencial, afirma a jornalista. Ela acredita que mesmo após a pandemia os cursos à distância vão se tornar cada vez mais massificados por serem acessíveis à população.

“Os cursos online já existiam antes da pandemia, mas acredito que, agora, eles vão se tornar cada vez mais comuns. Eu já tinha costume de fazer vários cursos online e, durante a pandemia, fiz várias atividades nesse formato. Isso traz comodidade. Tive a oportunidade de estudar mesmo com a licença maternidade”, relata a servidora.

O curso também atraiu profissionais de outras áreas. É o caso de Ildina Ferreira, professora da rede estadual de ensino. De acordo com a educadora, o conhecimento adquirido no curso de comunicação vai contribuir não apenas no seu desempenho profissional, como também na sua vida pessoal. Saber se comunicar de maneira eficiente é uma habilidade essencial na atualidade, complementa Ildina.

“Gostei muito do curso, da contextualização sobre a comunicação, desde os primórdios até a era digital, dando uma ênfase maior a esse período de pandemia. Querendo ou não, precisamos aprimorar a nossa comunicação para sermos entendidos da melhor forma possível, para que a nossa mensagem chegue até as pessoas de forma facilitada e compreensível”, finaliza.

Foto: Divulgação Pixabay