Combate à dengue: a importância da prevenção contínua durante o ano

Publicada: 01/07/2022 às 15:28

01/07/2022

Por Shis Vitória/ Agência de Notícias Alese

A dengue é uma das doenças mais conhecidas no Brasil e causada por um vírus transmitido por picada de inseto: Aedes Aegypti. Entre os locais mais propícios para a proliferação da dengue estão os recipientes expostos à água da chuva como lixo, calhas, e ralos entupidos, pratos e vasos de plantas, reservatórios de água para animais domésticos, ocos de árvore, bromélias, caixas d’água e lajes. Além disso, é recomendado uma maior atenção também,
a potenciais criadouros internos como vasos sanitários desativados, coletores de água da geladeira e ar-condicionado, suporte de água, entre outros espaços. Assembleia Legislativa de Sergipe  aprovou e o governo sancionou uma Lei estadual que chama a atenção para os cuidados e a prevenção da doença, a  Lei N° 8.856/2021, que também institui um dia de alerta e ações para a data. 

As ações de combate são essenciais baseada na importância de uma prevenção contínua. Os sintomas da dengue, chikungunha e zika são bem parecidos e incluem febre, dores de cabeça, articulações, olhos e corpo, fraqueza, erupção e coceira na pele, manchas vermelhas pelo corpo, náuseas, vômitos e dores abdominais. Ao sinal desses sintomas a orientação é procurar, imediatamente, uma unidade de saúde mais próxima.

De acordo com o gerente do Programa Municipal de Controle do Mosquito Aedes Aegypti, Jeferson Santana, as medidas de combate são realizadas durante todo o ano. “Temos como destaque o Programa de Combate ao Aedes Aegypti como sendo fundamental, durante todo o ano, até porque o controle do inseto é necessário e de modo contínuo. Existe um período que o mosquito se adapta melhor para a sua proliferação como o verão, porém mesmo nos meses de baixas temperaturas como a que estamos agora a sua produtividade diminui, mas ainda continua presente e trazendo riscos. Por isso, todos os dias a população precisa ficar atenta a qualquer objeto ou espaço com acúmulo de água que pode se tornar um foco”, alertou.

O gestor ressaltou ainda sobre a rotina de trabalho com a equipe especializada. “Nos temos uma rotina de trabalho de segunda a sexta-feira, por meio das visitas dos Agentes de Combate às Endemias nas residências, além dos mutirões desenvolvidos aos sábados, através de parcerias com órgãos como Emsurb e Meio Ambiente na ideia de encontrar e eliminar os possíveis focos do mosquito. É um trabalho de rotina e que nunca tem pausa, ou seja, o poder público trabalha com o objetivo de auxiliar a comunidade, como também, cada cidadão deve ter sua participação nesse controle observando semanalmente seus quintais e depósitos com água, por exemplo, para que assim possamos ter um melhor controle da infestação do Aedes Aegypti” explicou.

Os casos de dengue aumentaram na capital em comparação ao mesmo período no ano passado. “Temos dados do Índice de Infestação do Aedes Aegypti (Lira) que demonstra o aumento de 200% de casos em Aracaju quando comparamos com o ano passado e isso é um grande alerta já que tanto a dengue, chikungunya e zika são doenças graves e podem levar a óbito”, concluiu Jeferson Santana.

Legislação 

A Lei Estadual  N° 8.856/2021 instituiu o Dia Estadual de Combate ao Dengue. A data é celebrada no penúltimo sábado do mês de novembro com o objetivo de mobilizar iniciativas do Poder Público e a participação da população na realização de ações destinadas no combate ao vetor da doença.

O Governo Federal em 2010 instituiu o penúltimo sábado do mês de novembro como Dia Nacional de Combate ao Dengue, com o objetivo principal de mobilizar iniciativas do Poder Público e a participação da população para a realização de ações destinadas ao combate ao vetor da doença, por meio de campanhas educativas e de comunicação social, através da Lei nº 12.235/2010 .

Apesar da legislação pontuar especificamente a intensificação das campanhas no final do ano, no verão, é porque nesse período acontece uma  alta proliferação do mosquito, mas a conscientização deve ocorrer também durante todo o ano.

 

Foto: Brasil Escola

Outras notícias para você