A professora e militante Sônia Meire Santos Azevedo de Jesus recebeu das mãos da deputada estadual Ana Lúcia o título de cidadania sergipana, na tarde desta segunda-feira, 14. A entrega do título pela Assembleia Legislativa de Sergipe é iniciativa da deputada estadual, reuniu familiares da homenageada, lideranças políticas, professores e professoras, além de acadêmicos e autoridades, a exemplo do Reitor da Universidade Federal de Sergipe, Ângelo Antoniolli.

Em seu discurso, a parlamentar apresentou a trajetória de vida da homenageada, destacando em especial sua carreira acadêmica e política. Ana Lúcia chamou a atenção para as contribuições de Sônia com o campo da educação em nosso Estado, sobretudo de jovens e adultos e educação e movimentos sociais, sempre numa perspetiva de defesa das políticas públicas educacionais e partindo de uma concepção de educação libertadora

“Sônia dedicou sua vida à educação. Mais que isso, ao fortalecimento de uma concepção muito específica de educação, segundo a qual as práticas pedagógicas devem servir para solidificar a autonomia dos indivíduos, valorizando e respeitando sua cultura e seus saberes, enfim, para construir a nossa verdadeira libertação. É por essa contribuição e pela sua atuação junto aos movimentos populares, na academia e na esquerda do nosso Estado que nesta tarde ela passa a ser cidadã sergipana de fato, porque de coração ela já é”, destacou a autora do Projeto de Resolução que concedeu a homenagem a Sônia Meire.

A homenageada rememorou os momentos de juventude, quando era recém-chegada na capital sergipana, e agradeceu a todos os que a acolheram na cidade sobretudo nos primeiros momentos. Ela dedicou a homenagem à sua mãe, presente na solenidade ao lado dos filhos, netos e bisnetos. “Não seria o que sou sem a presença marcante da minha mãe, educadora, a quem presto meu maior agradecimento por este momento de hoje”, declarou, emocionada.

“Esse título entregue hoje a mim, não é uma homenagem à minha pessoa, não é só o reconhecimento das lutas, é muito mais que isso. Para mim ele representa o esforço e o reforço a um compromisso que assumi nesse Estado há 33 anos”, finalizou a homenageada.

Trajetória e contribuições

Nascida em 13 de janeiro de 1963, na cidade de São Paulo, Sônia chegou a Aracaju muito jovem, aos 19 anos, para cursar pedagogia na Universidade Federal de Sergipe (UFS), onde permanece há mais de 30 anos. Militante desde a adolescência, ao chegar em Aracaju, passou a integrar o Centro Acadêmico do curso de Pedagogia e o Diretório Central dos Estudantes (DCE). Ainda nos anos 1980, filiou-se ao Partido dos Trabalhadores (PT), onde permaneceu por mais de 20 anos, até 2012. Hoje, permanece formulando e contribuindo com a esquerda sergipana, por meio de sua militância no Partido Socialismo e Liberdade (Psol).

Mestre em Educação pela UFS, Doutora em Educação pela UFRN e doutora em Sociologia pela Universidade de Coimbra, Sônia Meire coordenou o Núcleo de Estudos e Pesquisas em Alfabetização da UFS. Também na UFS, atuou e coordenou em diversos projetos de educação no campo, a exemplo do Programa Nacional de Educação na Reforma Agrária (Pronera). A homenageada também teve atuação significativa junto ao Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST), ao Movimento dos Pequenos Agricultores (MPA) e ao Movimento dos Atingidos por Barragens (MAB) e, mais recentemente, com as mulheres Catadoras de Mangaba.

No campo sindical, atuou prestando consultoria para o Sindicato dos Trabalhadores da Educação de Sergipe (SINTESE) e ocupado a diretoria do Sindicato Nacional dos Docentes das Instituições de Educação Superior (Andes), do qual é vice-presidente. Foi ainda secretária adjunta da Secretaria de Estado da Inclusão, Assistência e Desenvolvimento Social (Seides) no período em que Ana Lúcia foi secretária.

Fonte: Ascom Parlamentar – Dep. Ana Lúcia
Foto: César de Oliveira