Por Habacuque Villacorte – Rede Alese

A coordenadora do Curso de Letras-Libras da Universidade Federal de Sergipe (UFS), Alzenira Aquino de Oliveira, foi uma das debatedoras da Audiência Pública “Escola Bilíngue: do Direito à Prática”, promovida pelo deputado estadual Iran Barbosa (PT) em parceria com o vereador de Aracaju, Lucas Aribé (PSB). Dentro das discussões ela destacou a necessidade de se incluir a disciplina “Libras” no currículo da Educação Básica.

Ela falou da formatura da segunda turma de professores de libras da UFS que estarão à disposição das escolas bilíngues, mas adiantou que a deficiência do quantitativo para atender a demanda é muito grande. “Temos alguns profissionais no mercado, habilitados, mas o que nos falta é um curso de bacharelado para a formação de intérpretes”, disse, explicando que ainda falta estrutura da Universidade para a promoção deste curso.

Alzenira Aquino explicou também que, por força de lei, há uma norma para que onde exista um surdo matriculado, tem que ter um intérprete de libras. “Na UFS em todos os cursos onde tem um surdo, tem sempre uma dupla de intérpretes disponibilizada para fazer a tradução. Infelizmente temos um número bastante insuficiente para atender a demanda. Veja que Sergipe é o Estado com menor número de professores bilíngues atuando”.

Por fim, a coordenadora do Curso de Letras-Libras defende que só haverá uma abertura para o mercado de trabalho quando incluírem a disciplina “Libras” no currículo da Educação Básica. “Quem insere estes profissionais é a própria comunidade surda e os professores que atuam no atendimento especializado. Não existe o cargo de professor de libras na rede pública! A inclusão desta disciplina na Educação Básica abriria o mercado de trabalho para estes alunos que estamos formando”.

Foto: Jadílson Simões