A Assembleia Legislativa de Sergipe prestou, na tarde desta segunda-feira, uma merecida homenagem ao professor e ex-Reitor da Universidade Federal de Sergipe, Josué Modesto dos Passos Subrinho. Ao lado de familiares e amigos, ele recebeu das mãos da presidente da Comissão Educação, Cultura e Desporto da Alese, deputada Estadual Ana Lúcia, a Medalha da Ordem do Mérito Parlamentar em reconhecimento a sua contribuição para a educação em nosso Estado e para a população sergipana, sobretudo no que se refere à consolidação da única universidade pública que existe no nosso Estado.

“Josué é um educador, um intelectual, um gestor público que transformou profundamente a Universidade Federal de Sergipe e que abriu a universidade pública para que os trabalhadores e trabalhadoras e seus filhos e filhas pudessem realizar o sonho de ingressar no ensino superior em Sergipe. Um administrador que ampliou, interiorizou e dinamizou a Universidade Federal de Sergipe”, declarou a deputada Ana Lúcia, autora do requerimento que concedeu a honraria ao professor.

“Há exatos 11 anos, acompanhado, dentre outros, pelo então vice-reitor Ângelo Antoniolli, tomei posse em Brasília como reitor da UFS pelo então Ministro da Educação, Tarso Genro”, rememorou Josué Modesto dos Passos Subrinho, ao agradecer a homenagem prestada pela Casa Legislativa. “Recebo e compartilho com os colegas de trajetória, esta honraria concedida pela assembleia Legislativa de Sergipe como um tributo à instituição muito mais do que à minha pessoa”, agradeceu.

O homenageado atribuiu também a honraria a sua família. “Como sabem alguns, tenho uma verdadeira obsessão em não permitir a permeabilidade das esferas pública e privada. Esta é uma solenidade pública acerca de uma trajetória pública. Devo reconhecer contudo, que no que me diz respeito ela só foi possível graças ao apoio incondicional de minha família, em especial da minha esposa Virgínia, de quem subtraí muito tempo de dedicação e atenção que ela merece”, destacou.

Gestão na UFS

O homenageado aproveitou a ocasião para fazer um balanço da expansão da UFS nos últimos anos, apresentando dados estatísticos e avaliando as mais diversas ações e programas implementados no período de sua gestão como reitor da universidade. “Acho que todo o percusso que fizemos valeu a pena por termos gerado simultaneamente novas condições para assegurar nossa vanguarda na qualidade acadêmica, na pertinência policial e na relevância política”, avaliou Josué.

A gestão de Josué Modesto ficou conhecida pela democratização do acesso à universidade pública. Foi o período em que a UFS finalmente chegou ao interior do Estado, com a criação dos campi de Itabaiana, Laranjeiras e Lagarto, sempre com o apoio do Governo Federal e do Governo Estadual liderado por Marcelo Déda. Foi também na sua gestão que houve a expansão de vagas para estudantes em 216%; a criação de 21 novos cursos de graduação e 37 de pós-graduação; 196% de crescimento no número de professores efetivos e 341% de aumento no número de doutores. Ainda no período em que estava à frente da UFS, a universidade aderiu ao Programa de Ações Afirmativas (PAAF), com reserva de 50% das vagas em cada curso para os egressos da escola pública e, dentro desta quota, uma subquota de 70% para os auto declarados negros, pardos ou indígenas.

“Josué mostrou que para construir uma universidade não é necessário apenas espaço físico, estudantes e professores, mas é preciso que a universidade esteja a serviço da população e atenda aos seus anseios. Em sua trajetória, ele conseguiu aproximar a universidade pública do seu objetivo maior, que é produzir conhecimento para ser aplicado na sociedade a fim de transformá-la, compreendendo que a educação superior pública tem o potencial de atuar como mola propulsora para o desenvolvimento local, por meio do ensino, da pesquisa e da extensão”, apontou Ana Lúcia.

Por Ascom Parlamentar Dep. Ana Lúcia (Débora Melo)
Fotos: Ascom Parlamentar