Alese concede ao maestro Carlos Magno o Título de Cidadão Sergipano

Publicada: 08/11/2022 às 10:16

Por Stephanie Macêdo/Agência de Notícias Alese

O maestro, professor Carlos Magno do Espírito Santo, recebeu da Assembleia Legislativa de Sergipe (Alese), o Título de Cidadania Sergipana. A solenidade, coroada com musicalidade, contou com a participação especial do coral infanto-juvenil, ‘Canarinhos de Aracaju’, referência no Estado. O deputado estadual Georgeo Passos (Cidadania), é o autor do Projeto de Resolução de nº35/2019 que conferiu ao homenageado, fluminense de Volta Redonda, o diploma de Cidadão Sergipano. A solenidade festiva ocorreu no Plenário do Poder Legislativo ao final da tarde desta segunda-feira, 7 de novembro. 

Amigos e familiares, convidados do homenageado

Na capital carioca, Carlos Magno estudou no Conservatório Brasileiro de Música, indo depois aperfeiçoar seus estudos musicais no Conservatório Dramático e Musical de Tatui, interior de São Paulo, onde lá participou do Coral Sinfônico e da Banda Sinfônica como Trompista: foi exatamente ali que iniciou seus estudos de Regência.

Já em Sergipe, com pouco mais de 24 anos, nos idos de 1985, ainda  jovem, se graduou em pedagogia pela Faculdade Pio Décimo, onde também se pós-graduou, em Psicologia da Criança e do Adolescente; sendo também pós-graduado em Teologia e em Musicoterapia, respectivamente, pela Universidade Católica de Salvador, e pela Faculdade de Ciências Humanas de Olinda, Pernambuco.

Instituição

O Instituto Canarinhos de Sergipe (INCASE) é uma ONG com finalidades Culturais e de Promoção da Cidadania que atende gratuitamente crianças, adolescentes e jovens do Estado de Sergipe. Foi criado em novembro de 2008 pelo maestro Carlos Magno, com o intuito de proporcionar às crianças atendidas a oportunidade de desenvolverem atividades artísticas, através da música, promovendo a cidadania e levando cultura para crianças e adolescentes carentes. 

Emocionado, maestro recebe o Titulo de Cidadão Sergipano

O deputado Georgeo Passos destacou a importância do maestro carioca na vida dos sergipanos, uma vez que o Instituto vem desenvolvendo desde o seu primeiro ano de vida trabalhos com crianças portadoras de Síndrome de Down e autistas. 

Além de cantar, os participantes do coral se envolvem em diversas atividades como musicalização, dança, flauta doce, violão, violino, violoncelo, bateria, teclado, percussão e teatro.

Em discurso, o deputado destacou ações realizadas pelo homenageado. Mas antes, parafraseaou  Heitor Villa-Lobos: ““É preciso fazer o mundo inteiro cantar. A música é tão útil quanto o pão e a água!””.

Em seguida, o deputado continuou sua explanação: “No comando do INCASE (Instituto Canarinhos), Carlos Magno do Espírito Santo recebeu diversos prêmios e troféus, como em 2016 o prêmio “Vivo Música que Transforma”; já em 2017 os grupos Canarinhos de Aracaju e a orquestra Popular Villa Lobos, foram contemplados com recitais nos teatros do Banco Caixa Cultural: em Fortaleza, Recife e Brasília, com boa repercussão nacional”.

Momento da entrega do diploma

Georgeo Passos revela a importância da música com ferramenta para o bem-estar, cenário em que  narra ações realizadas pelo instituto.

“Em setembro deste ano, a Orquestra Popular Villa Lobos recebeu  honroso convite e esteve se apresentando, sob a regência do maestro Carlos Magno, em um Concerto Didático durante quatro dias, em oito escolas públicas.

A apresentação ocorreu no município de Pinheiral, no Rio de Janeiro, por ocasião do Bicentenário da Independência do Brasil, o objetivo  da apresentação foi inspirar outras crianças e adultos a se aventurarem no universo da arte de tocar instrumentos e cantar, provando assim que a música é uma ferramenta para estimular a criatividade e várias outras áreas do cérebro; além de ajudar na concentração e prevenção de doenças inclusive físicas”, declarou o parlamentar.

Sobre o homenageado

Além de alguns artistas sergipanos terem sidos alunos do maestro, a sua própria família é formada por artistas da música, a exemplo da a Winnie Souza, sua filha, que participou no ano de 2019, do programa The Voice Brasil, da Rede Globo, fazendo parte do time do cantor sertanejo, Michel Teló.

“Lá em casa, por exemplo, são todos músicos e professores de música, estão voltados para dar continuidade ao trabalho musical, mas o Instituto Canarinhos de Sergipe lançou muitas sementes musicais, tanto na parte instrumental como também na parte vocal, e isto nos deixa assim muito felizes, porque não é só a questão da Cultura, não é só a questão da Educação, mas todo um processo de cidadania, de lutar por cidadania, lutar por direitos iguais, lutar pela inclusão social, isso foi e está sendo muito importante durante todo esse processo do Instituto Canarinhos de Sergipe”, revelou.

Deputado Georgeo, autor da honraria

O maestro ressaltou ainda que a homenagem o deixou muito honrado por concessão do título ter sido votado por unanimidade, de todos os deputados da Casa Legislativa. 

“Agradecer a Alese por este Título de Cidadão Sergipano. Estou tão feliz, hoje nós encontramos todos os familiares, todos os ex-colegas, colegas de faculdade, ex-alunos que hoje já são também pais e professores, enfim, pudemos juntar uma plêiade de pessoas que realmente estão assim muito envolvidas com o nosso trabalho, e há então essa aproximação muito grande minha para com eles, e há esse retorno também. Eu fico muito feliz pelo deputado Georgeo Passos ter feito essa deferência para o nosso nome. Muito obrigado, Sergipe, muito obrigado ao deputado Georgeo Passos, muito obrigado a todos os que fazem a Assembleia Legislativa de Sergipe, que eu fiquei sabendo que o nosso título foi concedido por unanimidade da Assembleia e isto nos deixa ainda muito mais felizes”, externou o maestro.

Durante homenagem, o maestro convidou o grupo de crianças especiais para apresentar aos convidados, e nesse momento, a linda história de cada um deles foi revelada.  O momento marcou o Plenário, pois os adolescentes cantaram e encantaram o público presente.

O presidente da Alese, deputado Luciano Bispo, agradeceu a participação dos amigos e familiares do homenageado, e sobretudo, os grandes componentes coralistas e músicos do Instituto Canarinhos de Sergipe. Bispo enalteceu as ações de inclusão social e cidadania que a ONG vem prestando a Sergipe. “A Alese é que agradece a oportunidade de torná-lo sergipano de fato e de direito”, declarou o presidente ao homenageado, enfatizando  ainda que o maestro Carlos Magno ao revelar cuidado, amor e compaixão às crianças especiais do coral, entregou aos sergipanos uma aula de simplicidade e humildade. Na oportunidade, agradeceu ao deputado Georgeo Passos por conhecer o trabalho  e a vida do maestro.

Fundação de corais

Presidente da Alese, Luciano Bispo, aplaude concessão do titulo

Em 1985, ao chegar em Aracaju para trabalhar na Faculdade Tiradentes, por intermédio do Frei Eugênio, como maestro do Coral aa Faculdade  e também professor, instalou o  Coral “Pequenos Cantores Do Tiradentes”; Do Colégio Patrocínio São José, fundou o Coral “Canarinhos Do Patrocínio”; do Colégio Roberto Simonsen, formou o Coral “Canarinhos Do SESI”; do Colégio Pio Décimo, o Coral “Viva A Esperança”; do Colégio Águia, o Coral “Águia”; do Jardim Babylândia, o Coral “Babylândia”; do Colégio Saint Louis, o Coral “Saint Louis”; Do Centro Educacional Prof. José Sebastião Dos Santos, formou o Coral “Vozes De Ouro”; do Colégio Nossa Senhora Menina, o Coral “Nossa Senhora Menina”; no Colégio Arquidiocesano, formou o Coral Do “Arqui”; do Colégio Master o Coral “Master”; do Colégio São João Bosco, o Coral “Canta Mari”; no SESC fundou o Coral “Doce Encanto”.

Ele Também atuou como professor na formação de corais das Escolas Municipais General Freitas Brandão, Teixeira Lott e Carvalho Neto; além das Escolas Estaduais Prof. Valnir Chagas e Tobias Barreto.

No interior de Sergipe, o maestro Carlos Magno atuou nos seguintes municípios: em Estância, na Escola Nossa Senhora de Guadalupe, onde foi maestro da banda de música e do Coral Canarinhos do SESI de Estância, o 1º coral canarinhos formado em Sergipe pelo maestro, em 1986.

Canarinhos de Aracaju em momento de canto e instrumentalização

Em Laranjeiras, no povoado Mussuca, foi maestro do coral infantil “Pérolas Negras”, um Projeto de inclusão social de crianças negras. Em Divina Pastora, atuou com o projeto Beija-Flor de inclusão social de crianças e adolescentes de escolas públicas; em Cristinápolis, formou o coral infantil e o Coral São Francisco, com jovens e adultos da Igreja Católica local; em Nossa Senhora do Socorro, formou o Coral “Canarinhos de Socorro , com os alunos de escolas públicas daquele município; em São Cristóvão, formou o coral “Canarinhos do Quissamã”, com filhos de moradores do assentamento do Movimento Sem Terra, no povoado Quissamã; e, em Propriá, foi maestro do Coral “Uma Lição de Vida”, no Projeto Velho Chico.

 

Fotos: Joel Luiz – Agência de Notícias Alese

 

 

 

 

Outras notícias para você