A Assembleia Legislativa de Sergipe lançou na tarde desta terça-feira (12), a construção do Plano de Desenvolvimento Estadual Sustentável de Sergipe (PDES) 2020-2030.

“Um dos presentes que podemos dar para Sergipe é entregar esse planejamento que gere mais emprego e renda ao nosso povo”, afirmou o deputado estadual Luciano Bispo. O projeto faz parte das comemorações do Legislativo para os 200 anos do estado e deve ser entregue à população em meados de julho do próximo ano. O evento ocorreu no auditório do TCE/SE e contou com a presença de gestores estaduais, municipais e autoridades dos poderes Executivo, Legislativo e Judiciário. Esta é a primeira etapa do PDES com a apresentação da empresa contratada para realizar o Plano.

Para o governador do estado Belivaldo Chagas, este projeto se soma ao planejamento do Executivo. “Este documento também serve como base das estratégias do governo até 2022. O importante é pensar na realização das ações que estarão indicadas no Plano”, lembra o governador.

Previsto para ser entregue em julho de 2020, a Fundação vai mapear os setores produtivos do estado em um processo de planejamento colaborativo, que terá cinco etapas de trabalho: diagnóstico, coleta de informações, análise de dados, produção e apresentação.

De acordo com a Diretora de Desenvolvimento de Organizações da FDC Iris Castro, o Plano contribui para compreender em que Sergipe se destaca. “É preciso identificar as potencialidades do estado para servir de base a um caminho sustentável para Sergipe”, pondera Castro.

O Plano de Desenvolvimento serve como ferramenta de análise e gestão que permite aos parlamentares a elaboração de indicações ao poder Executivo, e de compartilhamento de informações entre os três Poderes, a sociedade civil e a iniciativa privada.

A Fundação realizará um processo de trabalho a partir de instrumentos de coleta de informações, análise de documentos, oficinas de trabalho, painéis, grupos focais, entre outros.

Na primeira etapa de diagnóstico do PDES o intuito é filtrar visões, expectativas, interesses e demandas sobre problemas e oportunidades de Sergipe. Já na segunda etapa, a FDC realizará um trabalho analítico de coleta de dados dos temas federais, estaduais e municipais, para entender sobre as cadeias produtivas e potenciais econômicos.

O trabalho do Plano de Desenvolvimento segue para a terceira etapa com a produção do documento que vai conter os indicadores norteadores do Plano e as ações baseadas nos temas pesquisados anteriormente. Por último, a Fundação entrega para validação da Assembleia Legislativa e define no período de dez anos os indicadores para o desenvolvimento sustentável da economia sergipana.

Lembrado pelo presidente da Alese, Luciano Bispo, como um dos economistas que pensaram o Plano Econômico de Sergipe do governo Albano Franco (1995 a 2003), o economista Marcos Melo alertou para a finalidade do projeto. “É hora de se pensar proativamente no futuro do estado. Essa assessoria elaborada pela Fundação Dom Cabral terá o desafio de estabelecer uma rede de colaboração para que esse documento exprima os desejos da sociedade”, comentou Melo.

Segundo o presidente da CELSE (Centrais Elétricas de Sergipe), Pedro Litsek, o estado se torna referência. “Seria muito bom se víssemos esse tipo de ação em todo o País. Eu tenho sentido de Sergipe e dos municípios, em particular, que os governantes querem trazer uma melhor qualidade de vida para a população”, acredita Litsek.

 

Para o líder da oposição na Alese, deputado estadual Georgeo Passos a situação do estado é preocupante e precisa de respostas. “Nós sabemos que é um momento delicado, por isso os parlamentares entenderam a importância desta medida. Esperamos agora os resultados para que a gente possa contribuir para o desenvolvimento de Sergipe”, afirmou Passos.

A deputada estadual Diná Almeida e os deputados Garibalde Mendonça, Iran Barbosa, Zezinho Guimarães, Capitão Samuel, e o ex-deputado e atual Diretor de Relações Institucionais da Alese, Venâncio Fonseca, compareceram ao evento. Os presidentes do Tribunal de Justiça e do Tribunal de Contas, Desembargador Osório de Araújo Ramos Filho e o Conselheiro Ulices Andrade, respectivamente, além do Procurador Geral do Estado, Dr. Eduardo D’ávila, também estiveram no lançamento.

De acordo com o deputado estadual Garibalde Mendonça, a Assembleia vai participar de todo o processo de construção do Plano. “Este é um trabalho para pensar Sergipe, uma nova maneira de como vai viver o estado nos próximos 10 anos, é por isso que a Assembleia vai contribuir”, completa Mendonça.

O deputado estadual Zezinho Guimarães acredita que os municípios também serão beneficiados. “Na medida que o estado se planeja, ele agrega os municípios, pois são atividades que se irradiam para todos os governos locais”, disse Guimarães.

Segundo o economista e professor da Universidade Federal de Sergipe, Ricardo Lacerda, o momento do Brasil exige novas ações governamentais. “Esse é um momento importante para refletirmos sobre o futuro de Sergipe, as expectativas econômicas e sociais. O Brasil venceu uma etapa de sua história e Sergipe tem saber como se inserir neste horizonte que o plano se propõe na próxima década”, finalizou Lacerda.

 

Na visão da vice-governadora Eliane Aquino, é fundamental construir ações com os municípios. “Acho que o grande objetivo precisa ser qualificar os nossos gestores municipais para que eles entendam o que é o planejamento. Quando seguimos [planejamento] e entendemos da política orçamentária, aparecem bons resultados”, sugeriu Aquino.

Entre os gestores municipais o consenso é de que o Plano possa contribuir para o fortalecimento dos municípios. Para o prefeito de Frei Paulo, Anderson Menezes, tudo precisa ser feito com planejamento. “Diante deste projeto que será apresentado em breve, iremos aproveitar para incluir o município nas ações governamentais”, salientou Menezes.

Para Juliano César Souto, empresário do Grupo Fasouto, o trabalho deve ser em conjunto com a população. “É muito importante um trabalho como esse de fazer um plano ouvindo todos os agentes do estado, para que seja possível definir os caminhos do futuro de Sergipe”, celebra Souto.