Professores e professoras aposentados, que por mais de 25 anos contribuíram para a educação pública em Sergipe, marcharam, na manhã desta terça-feira, 09, até o IPES Saúde e, em seguida, até a Secretaria de Estado de Planejamento e Gestão (SEPLAG) para exigir, entre outras reivindicações, o fim do parcelamento dos seus salários e a melhoria do serviço de saúde prestado pelo Estado.

A decisão de ocupar o prédio ocorreu quando eles estavam reunidos no Encontro de Aposentados do SINTESE. O auditório da CAASE estava lotado de professores e professoras aposentados que discutiram um plano de lutas junto ao Governo do Estado.

Ao lado de sua categoria, a deputada estadual Ana Lúcia acompanhou a caminhada e mediou as audiências com o presidente do IPES Saúde, Christian Oliveira, e do Sergipe Previdência e com o Secretário de Estado de Planejamento e Gestão, João Augusto Gama.

Durante a primeira reunião, a presidente do SINTESE, Ângela Melo, reivindicou melhorias na assistência do Plano IPES Saúde e cobrou do Governo do Estado medidas urgentes contra a política de privatização do órgão. Outro ponto de pauta apontado por Ângela foi a inclusão de representantes do SINTESE no Conselho Administrativo do IPES Saúde.

Após deixarem a sede do IPES Saúde, os aposentados marcharam até a Secretária de Estado de Planejamento e Gestão (SEPLAG) para protestar contra a política de pagamento parcelado dos salários dos aposentados, que vem sendo adotada nos últimos meses. Em outubro, os aposentados receberam apenas parte dos seus salários, equivalente a R$ 1.000, no dia 31 de outubro. A outra parcela deverá ser paga nesta quarta-feira, 11, segundo informações do Governo do Estado.

Durante a audiência, a presidente do SINTESE solicitou que fosse criada uma comissão formada pelas Secretarias de Administração, Finanças, Fazenda e Educação para estudar formas de solucionar o problema dos aposentados e reestruturar a carreira dos professores da ativa.

Os professores e professoras também reivindicam a adoção de medidas duradouras para capitalizar o Sergipe Previdência, a exemplo da destinação de recursos da dívida ativa e a criação de uma loteria estadual. “Não existe uma sustentação de política financeira para o fundo que garante o pagamento dos nossos salários, dos professores aposentados” ressaltou a presidente do SINTESE, Ângela Melo. Neste sentido, também ficou acordado durante a audiência que será criada uma comissão para estudar alternativas de capitalização do Fundo do Sergipe Previdência.

A deputada Estadual Ana Lúcia lembrou que chegará em breve na Assembleia Legislativa de Sergipe o projeto que autoriza a venda do aeroclube. A proposta é que os recursos obtidos com a venda sejam revertidos para a capitalização do fundo do Sergipe Previdência, o que proporcionará o pagamento de salários em atraso e até mesmo o pagamento do décimo terceiro salário este ano. “Espero que os professores e professoras sejam priorizados, pois os nossos salários são os mais baixos do Estado”, destacou a parlamentar.

Agenda de Lutas

Durante o encontro, os professores aposentados decidiram realizar um ato no dia 19 de novembro (quinta-feira), às 8h, em frente ao Tribunal de Justiça do Estado de Sergipe (TJ/SE), a fim de protocolar ação judicial contra o parcelamento das aposentadorias e reivindicar audiência com o presidente do TJ/SE.

A categoria deliberou ainda que irá analisar a folha de pagamento do SERGIPE PREVIDÊNCIA e denunciar as possíveis irregularidades, além de realizar estudos sobre os problemas financeiros do Sergipe Previdência com o objetivo de formular um documento com propostas para capitalização do Fundo Estadual de Previdência.

Um novo Encontro dos professores aposentados deverá acontecer no dia 02 de dezembro, às 8h, com local a definir. Até lá, a categoria irá lançar carta pública e inciar uma campanha publicitária na mídia para denunciar o parcelamento do pagamento.

 

Por Ascom Parlamentar Dep. Ana Lúcia – Débora Melo

Fotos: Ascom Parlamentar